domingo, fevereiro 03, 2013

A UFOLOGIA ATUANDO DIANTE DE UMA ENCRUZILHADA

A UFOLOGIA DIANTE DE UMA ENCRUZILHADA

Bem, sempre procuro evitar polêmicas, apesar de diariamente sempre propor discussões sobre tudo, neste aspecto sou um filósofo nato.
Mas em poucas palavras darei minha opinião em resposta aos questionamentos de diversos amigos a respeito da Ufologia.
Tenho um ponto de vista um tanto particular a respeito do Fenômeno Ufo, minha especialidade não é correr atrás de locais onde dizem ter aparecido alguma coisa, embora nestes mais de 30 anos de pesquisa, eu em colaboração a outros colegas pesquisadores e grupos já saímos a campo atrás de informações sobre aparições de chupacabras, naves, seres, contatos, enfim, não tive como evitar.
Mas minha especialização é os intraterrenos e suas atividades em nosso planeta. Procurei expor alguns detalhes do conhecimento que acumulei sobre este assunto em alguns artigos que já foram publicados em revistas, mas aprofundarei mais neste assunto em um livro onde contarei muita coisa inédita.
Então, mesmo que de certa forma meio que de fora da maneira cartesiana de pesquisa ou seja, ir atrás de propensas ocorrências, me dedico a localizar bases intraterrenas em atividade, e mais que isso, seus diversos equipamentos espalhados por diversos lugares, já localizados por mim não só no Brasil, mas também em outros países, embora me surpreenda que poucos pesquisadores se dedicam a pesquisa sobre intraterrenos, uma vez que eles também operam suas naves e sondas, e de alguma forma interferem no que ocorre aqui na superfície. Fui acusado recentemente de apenas me dedicar ao mundo subterrâneo, mas não foi proposital, os fatos, as ocorrências, a pesquisa me levou a isso e num belo dia percebi que todo meu trabalho estava dedicado as diversas ocorrências nas diversas comunidades intraterrenas.
Então, como ia dizendo acima, assisto como que de fora o atual estágio da chamada Ufologia Cientifica. A algumas décadas atrás, o chamado meio ufológico possuía correntes de pensamento e pesquisa ou praticas diferentes, como a já conhecida Ufologia Cientifica, a Ufologia Mística, a Esotérica ou aquela que fala dos “antigos astronautas”, que foi popularizada com o trabalho de Zecharia Sitchin entre outros. Outros seguiram pela Ufologia Holística que seria uma mistura de diversas práticas.
Mas além de meu trabalho sobre intraterrenos, a corrente sempre me fascinou foi a Ufologia Esotérica, porque entendo que intraterrenos –e não somente eles - estão ligadas a este campo, a religião de um modo geral, além de diversas práticas e costumes arraigados nas diversas culturas da humanidade. Este sim é o grande segredo, a razão pela qual o tema Ufologia seja um assunto proibido, porque como já disse, diversos mitos e crenças simplesmente deixariam de existir porque perderiam sua base de sustentação.
Já li em outros trabalhos, que haveria uma sociedade secreta, já milenar, que se dedicaria a apagar nosso passado e os resquícios do que realmente ocorreu no passado distante. Seriam eles os responsáveis pela destruição da Biblioteca de Alexandria, que segundo alguns estudiosos, conteria diversos documentos sobre os povos que passaram por aqui e seus feitos ou contribuições a nossa humanidade. Parte desta ação ou sociedade estaria infiltrada também no clero antigo e por esta razão padres e outros “sacerdotes” criminosamente destruíram documentos de diversas culturas pelo mundo. Diversos monumentos, documentos, edifícios foram impiedosamente deletados para que a humanidade não conheça seu passado, viva na ignorância e apenas acredite no que lhes é oferecido, normalmente notícias falsas ou inverídicas que corroborem com os interesses daqueles que realmente governam a atual civilização. Aqueles que se opõe a suas práticas logo são classificados como loucos, terroristas ou rebeldes. Um ótimo exemplo, foi quando Sitchin em seu- livro- Genesis Revisitado publica diversas fotos da Nasa referentes a Marte, incluindo sabiamente os número originais e oficiais. Ali não só as famosas fotos do chamado “Rosto de Sidonia” onde além do rosto, também a existência de outros monumentos ou edifícios e além de formas geométricas complexas que impossibilitam a crença numa ação natural dos ventos marcianos. Mas no entanto, os bombeiros de plantão logo procuraram apagar o incidente, divulgando outras imagens afirmando que houvera um engano e que tudo não passou de efeito de luz e sombra. Lembro que cientistas ligados ao projeto vieram a público para dizer que o governo estaria enganando a população e se demitiram logo após. Na época, cheguei a publicar este fato em artigo na revista Ciências Paralelas. Mas a mídia oficial fala mais alto, pouco importa que Sitchin era consultor da NASA, das provas oficiais. Pouco importa o que aqueles cientistas disseram e o que aquilo tudo representaria, pois isso, esse fato forçaria a uma mudança em mitos terrestres, pois não seriamos os únicos no universo, e nem os primeiros homens. Não seriamos a supercivilização que querem que a massa continue a acreditar que somos.
Poderia aqui relatar uma série de acontecimentos lamentáveis como estes, promovidos por uma elite que faz de tudo para que a humanidade acredite nos tantos enganos que a domine e a mantém.
Atualmente a Ufologia não foge a esta realidade, muitos de seus estudiosos estão hoje presos a compromissos que os fazem se calar, ou desviar o foco de algo que aconteceu. Ela não caminha mais, pois teria também de avançar e quebrar antigos paradigmas para seguir a diante. As meras fotos de algo brilhante, relatos de ocorrências isoladas aqui e ali, a fizeram cair no marasmo e na rotina de algo que não responderá a sociedade o fenômeno, pois ela teria de buscar respostas em fontes que não seriam interessantes para o staf que determina quem irá publicar algo e o quê.
Como pesquisador eu lhe digo, a verdade não chega até você. Ela até está escancarada, mas fragmentada a tal ponto que a grande maioria não seja capas de interpretá-la e entende-la. Pense nisso.
Atilio Coelho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, quero conhecer sua opinião sobre o que está sendo exibido.