terça-feira, abril 24, 2012

UM BRINQUEDINHO BASTANTE INTERESSANTE

Pouco a pouco a vida dos ufólogos vai ficando cada vez mais difícil com o desenvolvimento tecnológico. Como se não bastasse a facilidade para manipular imagens digitais através do Photoshop e outros programas, grupos de empinadores de pipas passaram a incrementar seus pipas inserindo lâminas e leds causando um efeito interessante no céu noturno. No entanto, no feriadão de carnaval deste ano, estava na praia do Guaraú, em Peruíbe, quando no entardecer um objeto voador causou sensação naquela praia. Um objeto colorido e triangular, com apenas 0,5 centímetro de espessura, aproximadamente 60cm de largura na ponta mais larga. O objeto fazia vôos rasantes sem emitir nenhum ruído, e logo subia na direção das nuvens, passando por aves que voavam em grande altitude e além. Em certa oportunidade,(acredite) sumiu penetrando em uma das nuvens, para logo descer novamente, até muito próximo da cabeça das pessoas. Então logo pensei, pipa não pode ser, os brinquedos via rádio que eu conheço não ultrapassam os 100 metros, o que poderá ser? Confesso que cheguei a pensar que se tratava de um óvni. rss Bem, o rapaz que manejava o brinquedo cansou de brincar e fez o objeto triangular descer suavemente até suas mãos. Ele estava entre as pedras no fundo da praia. Com isso a reação dos banhistas não poderia ser outra que a de se aproximar do rapaz e conhecer o brinquedinho. Seguiu logo para seu automóvel. Consegui alcançá-lo para conversar com ele e obter alguma informação. O objeto era de um material plástico, possuía alguns objetos cilíndricos presos a ele, acredito que sejam os motores, mas não vi hélices. Como ele estava com pressa, não deu para observar melhor o objeto. Mas ao menos deu para fazer algumas perguntas rapidamente quando entrava no automóvel. Disse que foi ele que construíra o objeto, mas o rádio era norte americano. Perguntei a ele qual o limite para o objeto, ele disse que não havia limite, mas que poderia ser “até onde a vista alcança”, nas palavras dele. “Poxa! Mas como assim?”perguntei. Então ele sugeriu uns 3 kilômetros até que se perca sua posição, pois há o risco de se chocar com alguma montanha, torre ou outro obstáculo. Se despediu e foi embora. E agora José? Mais essa. Atilio Coelho

Um comentário:

  1. antonio quental8:18 PM

    Esse brinquedo eh demais eu bem que queria uma beleza dessas.
    Antonio Quental

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, quero conhecer sua opinião sobre o que está sendo exibido.